Quer comprar um imóvel? 2019 pode ser o ano perfeito

Quem está sonhando com acasa própria deve aproveitar o bom momentodo mercado e comprar um imóvel residencial ainda neste ano. Segundo os especialistas do setor, os preços estão atrativos, e a tendência é de alta para os próximos anos, com a expectativa de retomada da economia.

Nos últimos quatro anos, os preços dos imóveis no Brasil caíram cerca de 20% em termos reais, segundo a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Os preços baixaram devido à baixa procura, cenário que não deve mudar nos próximos meses. Com isso, os preços devem ficar estáveis em 2019. “Esse é um bom momento para negociar o valor dos imóveis. Quem tiver recursos pode conseguir um excelente desconto” afirmou Bruno Oliva, pesquisador da Fipe.

Além disso, Santander e Bradesco entraram no financiamento de imóvel na planta, abrindo mais possibilidades de negócios para o mercado que antes só contava com os bancos federais (Caixa e Banco do Brasil). O Bradesco, também, diminuiu o juro e superou a Caixa Econômica Federal em liberação de crédito para casa própria.

A Caixa passou a adotar taxas de juros de mercado na concessão de crédito imobiliário para a classe média. O novo presidente da instituição, Pedro Guimarães, causou polêmica ao dizer que a classe média pagaria juros de mercado se quisesse conseguir financiamento habitacional no banco. A declaração foi interpretada como uma sinalização de aumento das taxas para esse segmento da população, mas ele negou essa mudança no dia seguinte.

Levantamento feito pelo portal Melhor Taxamostra que o juro médio praticado pela Caixa já é maior que dos concorrentes do setor privado. Em dezembro de 2018, a taxa média da Caixa foi de 8,75%, contra 8,40% do Bradesco. A política dos bancos privados de reduzir as taxas do crédito imobiliário acabaram tirando da Caixa a liderança na concessão de financiamentos.

De janeiro a novembro de 2018, o Bradesco liderou a oferta de crédito para habitação, com a liberação de 13,5 bilhões de reais para aquisição e construção de 53.704 imóveis. Já a Caixa, segunda colocada, ofereceu 11,4 bilhões de reais para o financiamento de 49.111 unidades.
Com esse movimento, a participação do banco estatal no mercado de crédito caiu 40,43% para 22,31% em comparação com o mesmo período de 2017. Os dados são da Associação Brasileira de Empresas de Crédito Privado e Poupança (Abecip).

Adaptado de: publicidadeimobiliaria.com